Esportes

Copa das Confederações: Espanha faz dez gols no Taiti

Para enfrentar o Taiti, que só tem um profissional entre os 23 convocados, Vicente Del Bosque decidiu poupar quase todos os seus titulares. E os reservas souberam se aproveitar da fragilidade do adversário: aplicaram 10 a 0 no Maracanã, terminando a partida na liderança do grupo B da Copa das Confederações.

Os atuais campeões mundiais podem até já garantir a classificação para as semifinais caso o Uruguai não vença a Nigéria nesta noite. Com seis pontos, o time que também conquistou as duas últimas Eurocopas tem seis pontos e só sairão do primeiro lugar caso o campeão africano supere o vencedor da Copa América de 2011 por mais de cinco gols de diferença.

Tamanha vantagem foi garantida com facilidade. O Taiti mostrou vontade e mais preocupação defensiva do que na sua estreia, quando levou 6 a 1 da Nigéria no Mineirão. Mas terminou o primeiro tempo perdendo por 4 a 0, levando dois gols de Fernando Torres, um de David Villa e outro de David Silva. No segundo tempo, Torres, Juan Mata e Villa, duas vezes, completaram o massacre.

O Taiti não conseguiu o que consideraria um verdadeiro título, que seria fazer um gol na Espanha. Mas teve um momento de intensa celebração: aos 32 minutos do segundo tempo, Fernando Torres cobrou pênalti no travessão. O gol do atacante, o seu quarto no jogo, no minuto seguinte pouco diminuiu a empolgação da equipe da Oceania. Mas David Silva pareceu se constranger ao selar os 10 a 0, aos 44 minutos do segundo tempo.

Os espanhóis voltam a entrar em campo no domingo, enfrentando a Nigéria, às 16 horas (de Brasília), em Fortaleza. No mesmo dia e horário, o eliminado Taiti se despede de seu primeiro torneio da Fifa diante do Uruguai, no Recife.

O jogo – O Taiti mostrou sua inferioridade já ao errar a saída de bola. E a Espanha, paciente em seu estilo de trocar passes, não tinha nenhuma dúvida de que, mesmo com seus reservas, a goleada seria facilmente estabelecida, apesar do intenso apoio da torcida no Maracanã ao amador time da Oceania.

A Fúria precisou somente de quatro minuto para balançar as redes, quando Fernando Torres arrancou na ponta direita e tabelou para entrar na área, contando com a inocência do goleiro Roche, que abriu seu canto direito ao imaginar que o atacante faria um cruzamento rasteiro na pequena área.

Incentivado pela torcida, o Taiti tinha todos os seus jogadores da intermediária para trás. Quando conseguia ficar com a bola, impunha a velocidade com dois ou, no máximo, três atletas tentando passar do meio-campo. Mas bastava algum espanhol se aproximar para recuperar a bola praticamente sem fazer esforço.

Subindo em bloco, sem se preocupar com sua defesa, a Espanha não fez mais antes dos 20 minutos por egoísmo de Fernando Torres, que irritava David Villa ao insistir em finalizações erradas, ou porque havia tanto menosprezo ao adversário que os cruzamentos eram fracos demais.

Aos 31 minutos, David Villa se cansou de Fernando Torres e se aproveitou do maior erro dos taitianos: marcar em linha. O atacante carregou a bola até a meia-lua e tocou para David Silva passar nas costas da zaga e fazer 2 a 0. No minuto seguinte, Torres arrancou livre do meio-campo, driblou o goleiro ainda fora da área e ampliou. David Villa ainda deixou o seu aos 39.

Estava tão fácil que os europeus nem comemoravam seus gols, mas voltaram diferentes do intervalo. E mais eficientes, aproveitando-se também da condição física precária de seus adversários, que não têm o futebol como profissão. O toque de bola da Fúria no segundo tempo passou a ocorrer dentro da grande área do rival.

E a marcação em linha que tem sido o maior erro tático dos taitianos nesta Copa das Confederações prosseguiu. Assim, não foi difícil Villa fazer mais dois, aos quatro e aos 19, e Juan Mata não deixar que ninguém do quarteto ofensivo reserva de Del Bosque passasse em branco, marcando o seu aos 21.

Fernando Torres foi um personagem à parte no segundo tempo. Oportunista, e aparentemente constrangido por seu desempenho eficiente para colocar a bola nas redes, fez mais dois no segundo tempo, aos 11 e aos 33. Mas sabe que ficará marcado por ter perdido pênalti aos 32 da etapa final, independentemente dos quatro gols que fez nesta tarde no Maracanã.

Ao Taiti, restou a festa por ter enfrentado Iniesta, que atuou nos últimos 15 minutos, mas não de ter escapado de uma derrota com dois dígitos. O goleiro Mikael Roche, que tanto sofreu e bateu na grama a cada falha sua ou bola que balançava as suas redes, até teve seus momentos de celebração, incluindo uma boa defesa em falta cobrada por Villa, mas ficou desolado com o gol de David Silva, já aos 44 minutos do segundo tempo.