Esportes

São Paulo repete falhas e estreia Autuori perdendo para Vitória

Não bastou trocar de técnico para o São Paulo voltar a vencer. Na tarde deste domingo, a equipe estreou Paulo Autuori com revés por 3 a 2 para o Vitória. Depois de sair à frente, levou a virada e até conseguiu buscar o empate, mas, desorganizada taticamente, abusou dos já comuns erros de desatenção defensiva e terminou a partida em Salvador mais uma vez com um jogador a menos – Wellington foi expulso – e derrota no Campeonato Brasileiro.

O destaque foi o argentino Maxi Biancucchi (primo de Lionel Messi), autor do primeiro e do terceiro gols da equipe baiana. O placar poderia ter sido até mais elástico se Renato Cajá não tivesse desperdiçado uma chance debaixo do travessão e um pênalti. Aloísio e Rogério Ceni (de falta) marcaram os gols são-paulinos.

O foco do time de Autuori agora é a Recopa Sul-americana, contra o Corinthians, na quarta-feira. Para ser campeão no Pacaembu, precisa reverter desvantagem dos 2 a 1 sofridos na primeira final, resultado que custou o emprego de Ney Franco. O próximo compromisso do Vitória também será um clássico, mas pela competição nacional, daqui a uma semana, frente ao Bahia, em casa.

Neste domingo, o novo treinador tinha uma série de desfalques, cinco por motivos clínicos (o lateral direito Douglas, os zagueiros Rafael Toloi e Paulo Miranda, o volante Denilson e o meia Jadson) e dois por suspensão (o lateral esquerdo Clemente Rodríguez e o atacante Luis Fabiano, ambos expulsos no meio de semana).

Mesmo com mudanças em todos os setores do time, exceção feita ao goleiro Rogério Ceni, a equipe visitante conseguiu suportar a pressão inicial adversária e abriu o placar aos nove minutos, em um rápido contragolpe iniciado por Rodrigo Caio. Ao receber na esquerda, Osvaldo fintou o marcador e cruzou rasteiro para Aloísio, de frente para o gol praticamente livre, completou à rede.

A partir daí, o São Paulo passou a ter maior posse da bola. Só que a confiança ofensiva, adquirida pela vantagem no placar, resultou em castigo. O time partiu com tudo ao ataque e deixou a defesa aberta. Aos 20 minutos, a equipe baiana chegou com dois jogadores diante de Edson Silva. Dinei driblou o zagueiro, ameaçou o chute e, com o goleiro Rogério Ceni caído, concluiu rasteiro para empatar.

Com o controle do jogo novamente, o Vitória foi em busca do segundo gol. Sete minutos depois do empate, Rogério Ceni precisou deixar a meta para evitar que Maxi Biancucchi balançasse a rede. Aos 28, porém, uma sequência de infelicidades da defesa permitiu que ele virasse o jogo. Rodrigo Caio foi enganado por corte de Lucas Farias, e a bola sobrou na área para o argentino, que foi ajudado por desvio em seu chute e encobriu o goleiro tricolor.

Ceni então chamou a responsabilidade. Ao notar uma falta marcada a favor do São Paulo na meia direita, ele foi para a bola. Depois de muita demora da arbitragem na arrumação da barreira, o camisa 1 bateu com perfeição e igualou o placar novamente. A bola ainda tocou a trave esquerda de Wilson antes de entrar.

Autuori não fez modificações no intervalo, mas não demorou a perceber que precisaria mexer. Logo no terceiro minuto do segundo tempo, Renato Cajá perdeu gol incrível debaixo do travessão. Três minutos mais tarde, o meia teve outra grande oportunidade em cobrança de pênalti, mas chutou para fora. O treinador são-paulino resolveu sacar Lucas Farias para a entrada de Fabrício, volante que foi reintegrado por ele depois de dois meses afastado.

Segundos depois da alteração, saiu o terceiro gol do Vitória. Renato Cajá fez boa jogada individual e abriu na direita para Nino Paraíba. O lateral atrasou para Maxi Biancucchi, livre de marcação, chutar forte e colocar o time da casa novamente em vantagem.

Uma nova tentativa de Autuori foi tirar Maicon e colocar Ademilson. Mas ela foi rapidamente comprometida por Wellington, que recebeu o segundo cartão amarelo – o primeiro havia sido no pênalti – por um carrinho na lateral e acabou sendo expulso aos 22 minutos. Com um jogador a menos, o São Paulo até tentou se lançar ao ataque, mas não evitou o revés. Agora são sete jogos seguidos sem vencer, seis deles no Brasileiro.